A obra de construção do ginásio de esportes da comunidade de Golfinhos tem sido uma das preocupações da atual gestão municipal. Desde que assumiu o comando do Poder Executivo, Juscelino da Silva Guimarães, o Mineiro, tem se empenhado junto à equipe para resolver a situação da obra que está parada desde 2016.

A construção do ginásio foi licitada em 2014. Em 8 de dezembro de 2016 a empresa comunicou o prefeito da época, através de documento, que parte dos pilares da estrutura de concreto armado apresentaram fissuras e alterações. Neste mesmo mês a empresa parou a obra.

Em 2017, a atual gestão assumiu com a obra parada, inacabada, e com sérios problemas estruturais. “É importante ficar claro para a população que a atual administração entrou com a obra paralisada, com graves problemas estruturais, e com mais de 70% dos valores da obra já pagos à empresa pela gestão anterior, ou seja, mais de 1 milhão e duzentos mil reais por uma obra inacabada e com a sua estrutura comprometida”, ressaltou o prefeito.

Para dar o possível andamento à construção, o prefeito Mineiro solicitou um levantamento técnico e uma perícia para analisar os aspectos da obra. O laudo da perícia detalha problemas na estrutura da obra, como: deformações no contrapiso do abrigo; esperas da estrutura de concreto armado em processo de corrosão; estrutura metálica da cobertura em processo de corrosão; quadro de distribuição de energia elétrica em processo de corrosão; rachaduras nas paredes; e vigas de concreto armado seccionadas/rompidas.

“Notificamos a empresa responsável para se manifestar, sendo que esta não assumiu a responsabilidade. Foi então que, orientado pela assessoria jurídica, rescindimos o contrato com a empresa e solicitei a abertura de um processo administrativo para apurar a responsabilidade da empresa empreiteira pelos problemas da obra. Se comprovado, daremos início a uma ação judicial”, declarou Mineiro.

Valor para o término da obra ultrapassa R$1 milhão

Com os processos burocráticos em andamento, a Caixa Econômica Federal autorizou a realização de nova licitação para término da obra em dezembro de 2018. Com a autorização dada, foram feitos os orçamentos para as correções da obra e retomada da construção. Nos orçamentos apresentados nas licitações a obra foi calculada em mais de R$1 milhão. Para recuperação da estrutura metálica do ginásio a licitação foi de R$224.583,67 – sendo que antes mesmo de iniciar a desmontagem do telhado, a empresa responsável já informou que há necessidade de serviços não previstos no orçamento inicial, pois há risco de desabamento.

Na licitação realizada para a conclusão do ginásio, orçada em mais de R$800 mil, nenhuma empresa se mostrou interessada.

Obra não terá continuidade

Considerando que serão gastos em torno de dois milhões de reais para conclusão da obra e mesmo assim não há certeza que ao iniciar a obra a estrutura não desabe; e considerando ainda que o município não possui condições de arcar com os valores propostos para a recuperação da obra sem causar prejuízo nas contas; a decisão é de que não será dada a continuidade à qualquer obra no ginásio, sendo que o mesmo será mantido isolado para acesso à população.

A Administração Municipal, através do prefeito, entende os anseios da população, mas considera que há demandas e necessidades mais urgentes e que devem ser prioridades no investimento e orçamento municipal. “Os recursos empregados na obra podem ser melhor empregados em pavimentação, saneamento, saúde e educação, sendo evidente que o município possui muitas outras prioridades neste momento”, conclui.

Quanto ao valor empregado na obra inacabada, serão tomadas medidas judiciais para garantir a responsabilidade dos culpados pelos problemas causados ao município.

Fonte: Assessoria de Imprensa