Os trabalhadores administrando a folha de pagamentos deles próprios, respeitando, apenas, o limite prudencial de 51,3% da receita do município. A proposta que surpreendeu a Comissão de Negociação do Sindicato dos Servidores Municipais de Maracajá foi apresentada pelo prefeito Arlindo Rocha na segunda rodada de debates para renovação da negociação coletiva da categoria. "É uma inovação, uma demonstração da transparência que marca nossa administração e, sobretudo, um desafio para o sindicato e à categoria ", resumiu o prefeito ao fazer a proposta.

Os membros da Comissão de Negociação ficaram surpresos e entenderam que uma decisão desta natureza somente pode ser tomada após ouvir a categoria em assembleia geral, que deve ser convocada nos próximos dias. O rol de reivindicações apresentado pelo Sindicato com repasse da inflação mais 5% de aumento real, incorporação de abono assiduidade de R$ 200,00 criado no ano passado, repasse do aumento do piso do magistério na carreira, entre outras reivindicações apresentadas eleva a folha para 56% da receita anual do município, infringindo a lei de responsabilidade fiscal.

"Quando trabalhadores e patrões da iniciativa privada negociam convenções coletivas, os trabalhadores nunca sabem quanto as empresas arrecadam, mas no serviço público os valores são de domínio público, então, transparência e responsabilidade na aplicação dos recursos municipais precisam andar juntos", disse Arlindo. As partes voltam a negociar nas próximas semanas e a intenção é concluir o processo a tempo de todos receberem os salários reajustados no pagamento da folha de março próximo.

Fonte: Assessoria de Imprensa