Fertilidade do solo, nutrição e adubação da batata doce integraram a pauta de um "dia de campo", na propriedade de Ozair Jorge Cardoso, na localidade de Barro Vermelho, em Araranguá, envolvendo produtores rurais de Maracajá.

"Os participantes puderam conhecer diferentes cultivares de batata doce, fertilidade do solo, nutrição e conhecer testes a campo conduzidos pelos técnicos do escritório da Epagri de Maracajá e Araranguá", disse o engeneiro agrônomo Ricardo Martins, da Epagri de Maracajá.

No encontro, realizado na quinta-feira (17), foi salientado a importância da análise de solo para interpretação de adubação e correção necessária, práticas de manejo integrado da batata doce e resultados de experimentos a campo. Após explanação teórica, o grupo de agricultores foi conduzido para a área experimental e comercial da lavoura de batata doce e puderam conhecer os trabalhos desenvolvidos pela Epagri.

De acordo com Martins, nesta área experimental foram feitos testes de adubação da batata com a utilização de adubos formulados, parcelamento de adubação e arranjos na densidade de plantio. "Resumidamente, o teste mostrou que a batata doce quando adubada de acordo com análise de solo pode apresentar um potencial produtivo muito satisfatório, acima das produtividades médias nacionais".

O agrônomo da Epagri de Maracajá ressaltou que a batata doce ainda é uma cultura marginal nas propriedades rurais."Neste encontro tivemos a intenção de mostrar que a cultura pode apresentar um bom desempenho desde que bem manejada".

Os trabalhos foram coordenados por Ricardo Martins em conjunto com Homero Bosch Junior, engenheiro agrônomo da Epagri de Araranguá.