Não foi copiando do quadro que os alunos de Sabrina Matos, professora da Escola Municipal Padre Paulo Petruzzellis – Bairro da Juventude, compreenderam o Tratado de Tordesilhas. A aprendizagem foi construída, coletivamente, em diferentes momentos. Em debates, conceituaram a importância dos acordos sociais. Já em palestra, visualizaram o contexto histórico da aliança. Fora da sala de aula, no entanto, a prática se tornou mais significativa. “Fomos a cidade de Laguna, em busca de respostas para as curiosidades dos alunos”, relata a educadora.

A turma integra o projeto-piloto do Programa A União Faz a Vida, principal iniciativa de responsabilidade social do Sicredi, que prevê romper os limites da escola e estimular uma formação autônoma e crítica. “A atividade envolveu e motivou os alunos, desenvolvendo a autonomia e o protagonismo no momento de fazer perguntas e registros”, destaca Sabrina.

Os primeiros resultados do programa serão apresentados na próxima quinta-feira, dia 7, às 14 horas, em Mostra de Projetos no Cine Teatro Itália do Bairro da Juventude. O evento será conduzido pelos próprios educandos, que prepararam atrações especiais. “Muito nos alegra ver os frutos desse trabalho. Buscamos desenvolver cidadãos mais cooperativos e atuantes, capazes de se posicionar na sociedade”, enaltece Aloísio Westrup, presidente da Sicredi Sul SC.

Em Criciúma, o projeto-piloto compreende três turmas de quarto ano, tendo a Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc) como assessora pedagógica. A União Faz a Vida surgiu, há 23 anos, com o intuito de difundir o conhecimento das comunidades sobre o cooperativismo. A proposta foi construída a partir de exemplos internacionais e da parceria com o Centro de Desenvolvimento e Pesquisa sobre Cooperativismo da Universidade do Vale do Rio do Sinos (Unisinos). Desde então, mais de 200 municípios já implantaram a iniciativa.

Fonte: Texto e fotos: Daniela Soares - Giovana Pedroso