Criciúma e o Extremo Sul passam a contar a partir de agora com um relatório completo e organizado referente aos seus indicadores estratégicos. A Associação Empresarial de Criciúma (Acic), juntamente com o setor de estatísticas da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc), traz as informações referentes a demografia, economia, educação, inovação, dados sociais, infraestrutura e habitação dos últimos anos em um único documento, que estará disponível no site da associação empresarial.

O relatório foi apresentado pelo presidente da Acic, César Smielevski, durante a reunião da diretoria da associação na noite de ontem.  “Os dados, baseados na RAIS e no IBGE, nos ajudarão a vislumbrar novas situações para o futuro da região. Somos a área mais pobre de Santa Catarina e a tendência é piorar. Estamos perdendo competitividade e precisamos traçar estratégias para melhorar esse cenário", destaca o presidente.

Entre os índices demonstrados no documento chama a atenção o grande número de empresas com até quatro funcionários.  Em 2015, mais de 50% das empresas de Criciúma registravam de 1 a 4 empregados. Já àquelas com mais de mil empregados, o município só registrava quatro empresas. Em 2000, as 4 mil empresas ativas existentes em Criciúma representavam 41,5% do total de empresas do Extremo Sul. Cinco anos depois, em 2015, as 7 mil empresas representavam apenas 35%.

Outro dado preocupante apontado no diagnóstico se refere à pesquisa e inovação. De 2000 a 2015, o número de registro de propriedade intelectual passou de 189 para apenas 265. Em 2012, a concessão de registro de propriedade intelectual foi de 85.

Relevância das informações

O vice-presidente da Acic, Valcir Zanette, também destaca a importância de se conhecer e analisar os indicadores. "Os dados são importantes para chamar a atenção às tendências do mercado, para onde devemos caminhar em áreas como a de tecnologia e de robotização, por exemplo. Questões como educação, desenvolvimento do ser humano e do profissional, e competitividade precisamos continuar trabalhando ainda mais firme”, observa.

A reitora da Unesc, Luciane Ceretta, também diretora da Acic, propôs uma parceria entre a associação empresarial, a universidade e a Satc para atualizar e analisar cenários que contribuam com o desenvolvimento regional. "Vamos viabilizar esta parceria para estratificar esses dados e pensar estratégias”, coloca Luciane.

Fonte: Deize Fesliberto