As obras de implantação e pavimentação da BR-285/RS/SC interceptam os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, sendo o Lote 1 em São José dos Ausentes e o Lote 2 em Timbé do Sul. Nestas duas localidades a água é um dos cartões postais, tanto pela questão turística, devido a grande quantidade de nascentes que existem nesta região, quanto por ser um bem material e econômico, já que a agricultura é uma das principais atividades locais.

Atento a isso, o Plano Básico Ambiental das obras recomenda que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) monitore os chamados macroinvertebrados bentônicos, mais conhecidos como bioindicadores da qualidade da água. São organismos acima de 0,5 mm que vivem sob o substrato dentro do ambiente aquático, como insetos, minhocas ou moluscos. “Eles são utilizados como bioindicadores, pois são sensíveis a qualquer alteração ao meio em que vivem, e também como ferramenta de diagnóstico ambiental por serem de fácil coleta e baixo custo”, explicou a especialista em macroinvertebrados bentônicos da STE S.A., Caroline Voser.

Na semana do Dia Mundial da Água, comemorado em 22 de março, está sendo realizada a terceira coleta destes organismos, que iniciou no dia 13 e termina no dia 24 deste mês, tendo periodicidade trimestral. O monitoramento está sendo feito no Lote 2, em 16 pontos de amostragem em rios que fazem parte da Bacia Hidrográfica do rio Araranguá e que possam ter influência das obras. A água e sedimento também são coletados durante o monitoramento.

Para fazer a análise dos dados, em laboratório, os indivíduos são identificados, em família e gênero, e são aplicados protocolos que dão diagnósticos. “Junto com as análises de água e sedimento conseguimos construir um diagnóstico de como se encontra a qualidade desses ambientes, se e como estes corpos hídricos estão sendo impactados”, relatou.

Um patrimônio

Uma região banhada pelas águas. Em São José dos Ausentes há a nascente do rio das Antas, que nas proximidades do município de Bento Gonçalves recebe as águas do rio Carreiro e passa a se chamar rio Taquari. Timbé do Sul tem belas paisagens que fazem jus à denominação de Capital Catarinense das Montanhas e Águas Cristalinas. Com um relevo propício, ao pé da serra, é fácil de encontrar cachoeiras. Somente em uma das tilhas, a do Portal do Palmiro, são três: Cachoeira das Bromélias, da Begonha e da Grota do Macuco. A prefeitura do município indica como turismo de águas o poço do caixão, local de pouso de asa deltas que partem do Morro das Antenas e onde o Rio Serra Vermelha forma uma enorme piscina natural.