Rolando Christian Coelho
21/11/2019 09h00

A injusta matemática dos pedágios no Sul

Rolando Christian Coelho, 21/11/2019

A injusta matemática dos pedágios no Sul

Dnit anunciou o local aonde serão instalados os pedágios que ficarão no Sul do Estado. O primeiro está projetado para ser construído no Km 458,7, em São João do Sul. O segundo será construído em Maracajá, no Km 405,8. O terceiro ficará no Km 345,4, em Tubarão, e o quarto no Km 298,5 em Laguna. Entre São João do Sul e Maracajá, a distância entre os pedágios será de 52,9 quilômetros. Entre Maracajá e Tubarão, a distância entre os pedágios será de 60,4 quilômetros, e entre Tubarão e Laguna, a distância será de 46,9 quilômetros. Vale lembrar, que, depois de Laguna, há o pedágio de Palhoça, no Km 243, que ficará a 55,4 quilômetros do que será construído em território lagunense.

Pela média, os pedágios do Sul do Estado ficarão a uma distância de 53,9 quilômetros um do outro. Do outro lado da moeda, há outros três pedágios, na chamada BR 101-Norte. O de Porto Belo, o de Araquari e o de Garuva, já na divisa com o Estado do Paraná. Entre Palhoça e Porto Belo a distância é de 85,6 quilômetros. Entre Porto Belo e Araquari, a distância é de 78,1 quilômetros, e entre Araquari e Garuva, a distância é de 78 quilômetros. Pela média, no Norte do Estado a distância entre os pedágios é de 80,5 quilômetros, ou seja, uma distância 49,35% maior do que os pedágios que ficarão no Sul. Se a BR 101 tivesse mil quilômetros em Santa Catarina, teríamos seis pedágios no Norte e nove no Sul do Estado.

Não bastasse a injustiça concreta, há também aquelas de cunho social. Todo mundo sabe, por exemplo, que o Norte de Santa Catarina é bem mais desenvolvido economicamente do que o Sul, o que, por si só, agrava o excesso de pedágios em nossa mesorregião. Afora isto, o valor de um pedágio no Norte é de R$ 2,70 para veículos de passeio. Já a licitação para pedágios no Sul prevê tarifas que podem ultrapassar os R$ 5,00 para este tipo de veículo.

MDB de Gaivota será oposição, diz vereador do partido

Vereador Mano Godinho (MDB), pré-candidato a prefeito de Balneário Gaivota, diz que seu partido acabará rumando naturalmente para a oposição ano que vem. De acordo com ele, as especulações dando conta de que o MDB estará alinhado ao Progressistas, do prefeito Ronaldo Pereira da Silva, e ao PSD do vice-prefeito Evânio Iris Machado, não têm ressonância dentro do partido. “A base do MDB não aprova qualquer tipo de aproximação com quem está hoje no comando da prefeitura. Se colocar esse assunto em votação no diretório do partido, ninguém é a favor. Afora isso, o MDB é muito grande para apoiar quem quer que seja. Quem quiser que nos apóie”, comenta o vereador, nitidamente com discurso de candidato a prefeito oposicionista.

Por ora, não há oposição na Câmara de Sombrio

Em princípio, prefeito de Sombrio, Zênio Cardoso (MDB), parece que não terá que se preocupar com a nova composição da Câmara Municipal de Vereadores, que passou a contar com dez legisladores eleitos pela oposição, depois que seis eleitos pela situação foram afastados pelo Tribunal Superior Eleitoral, por suposta fraude eleitoral no pleito de 2016. O legislativo sombriense, que tem onze vereadores, conta agora apenas com João Roseno (PDT) eleito pela situação. Ainda assim, na primeira prova de fogo do executivo, não houve qualquer tipo de atrito. Os vereadores aprovaram projeto de lei enviado pela prefeitura solicitando autorização para a contratação de R$ 5 milhões em empréstimo, objetivando a pavimentação de mais de trinta vias públicas do município. A bem da verdade, o projeto tramitou mais rápido do que quando o prefeito tinha maioria na Câmara.

População poderá votar para extinguir, ou não, municípios

Deputados federais da base de apoio do presidente Jair Bolsonaro (S/P), que concordar com a PEC do Pacto Federativo, mas não concordam com a extinção de municípios com menor de 5 mil habitantes, que não tenham pelo menos 10% de sua receita fruto de recursos próprios, estão propondo um meio termo no que diz respeito a este item do projeto. Eles querem que haja uma emenda na PEC, dando conta de que, os municípios com tais características, até poderiam ser extintos, desde que a população local concordasse com isto. Basicamente, para que houvesse a extinção, os eleitores destes municípios teriam que ir às urnas para manifestar este interesse. Pelo menos no que diz respeito a Ermo e Morro Grande, por óbvio a população não iria votar pela extinção.

CPI contra Scaini é instalada em Arroio do Silva

Câmara Municipal de Vereadores de Balneário Arroio do Silva definiu, nesta semana, nome dos membros que comporão a CPI do Ginásio Municipal de Esportes. O objetivo é investigar supostas irregularidades na obra inacabada do referido ginásio, à época da gestão do ex-prefeito Evandro Scaini (PSD). A presidência da Comissão ficou a cargo do vereador Dionei de Souza Teixeira, o Moranguinho (PSB). A relatoria coube ao vereador Edmilson Aguiar (PP). Já o vereador Wanderlei de Souza (PSD) foi escolhido como membro da CPI. Basicamente, o governo de Evandro licitou e deu ordem de serviço para a construção de um ginásio, que até hoje está inacabado. Os vereadores querem saber o porquê disto. O ex-prefeito diz que está tranqüilo em relação aos fatos. “Tenho tudo documentado, o que inclui as explicações necessárias sobre o porquê da situação ter chego a este ponto. Estou tranqüilo”, diz Evandro.

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias