Rolando Christian Coelho
23/09/2019 11h55

Sul pode ganhar outro deputado estadual

Rolando Christian Coelho, 23/09/2019

Semana começa com a expectativa de que o Tribunal Regional Eleitoral julgue ação do PSB nacional, como também do ex-deputado estadual Cleiton Salvaro (PSB), contra o deputado estadual Bruno Souza, que deixou o PSB em abril deste ano alegando falta de afinidade ideológica com a sigla. Bruno, em princípio, teria tomado esta decisão sem a conivência de seu partido, e o fez fora do prazo de transferência partidária. Se o TRE entender que este fato configura infidelidade partidária, o deputado pode ter o seu mandato cassado, e em seu lugar assumiria o primeiro suplente do PSB, o criciumense Cleiton Salvaro, que possui vários aliados políticos em nossa região. Muitos deles, a bem da verdade, já deixaram ou estão deixando o PSB, pelo mesmo motivo que Bruno Souza deixou a sigla.

O julgamento no TRE estava previsto inicialmente para ter acontecido na última quinta-feira, mas acabou não entrando em pauta. Informações vindas da capital catarinense dão conta de que isto deverá acontecer nesta semana.

O caso de Bruno é meramente interpretativo. Ele de fato deixou o PSB fora do prazo para que isto pudesse acontecer sem prejuízos a seu mandato. Pela regra, teria que esperar a abertura de uma janela de transferência partidária. Por outro lado, uma resolução do Tribunal Superior Eleitoral de 2007 prevê que um político eleito pode deixar seu partido por conta de “mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário”, ou por “grave discriminação pessoal”. O fato é que o PSB pelo qual Bruno Souza se elegeu não é mais o mesmo PSB de hoje. Pelo menos em Santa Catarina, o de antes era um PSB de direita, e agora é de esquerda. A luz da razão, Bruno não mudou, e sim seu partido em nível estadual.

Todavia, caso o TRE se atente apenas a letra fria da lei, o deputado pode perder seu mandato, e em seu lugar teríamos mais um sulista na Assembleia Legislativa, que, de igual modo, tão logo seja aberta uma janela de transferência partidária, também deve deixar o PSB.

Diego Pires diz que caminho real é o Podemos

Vereador araranguaense Diego Pires (PDT) entra em contato para ressaltar que seu destino político já está carimbado. Ele irá migrar para o Podemos tão logo seja aberta uma janela de transferência partidária, o que, inicialmente, está previsto para março do ano que vem. Diego irá acompanhar vários outros líderes políticos que estavam, ou estão filiados ao PSB. Um grupo político que está reorganizando o PDT de Araranguá conta como certa com a permanência do vereador em seus quadros. De acordo com Diego Pires, no entanto, a decisão de sair do partido já está tomada e só não foi concretizada ainda por conta da necessidade da abertura de prazo para transferência.

Repercutiu bem nome de Ricardo Gheller a prefeito

Repercutiu bem nas redes sociais coluna que escrevi na semana passada, dando conta da provável candidatura de Ricardo Ghellere, do Instituto Maria Schmidt, à Prefeitura de Araranguá, pelo PSL. Em princípio parece se tratar de um nome de fácil aceitação junto ao seio da sociedade araranguaense. Por certo, Ricardo ainda surfa na Onda Bolsonaro, e capitaliza por sua estreita relação com figuras como o ex-vice-prefeito Rodrigo Turatti, que concorreu à Assembleia Legislativa pelo PSL ano passado, como também com o deputado federal Daniel Freitas (PSL). Para enfrentar um embate da magnitude que é a disputa pela Prefeitura de Araranguá, no entanto, será preciso bem mais que isto, a começar por uma boa coligação, que dê capilaridade a um projeto político que se apresentará como algo inovador em nível local. Um dos problemas é que outros projetos também se utilizarão desta mesma retórica, a exemplo do que vier a ser bancado pelo PL de Primo Júnior.

Presidente do PSL deixa partido em Balneário Gaivota

Comerciante Júlio César Rocha Silvério deixou a presidência do PSL de Balneário Gaivota e também o partido. Ressaltou que está saindo em busca de novas diretrizes. Interessante observar que mesmo fora do PSL , Júlio Silvério diz que vai continuar defendendo as teses do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Em nota pública, ele deu a entender que a desfiliação se deu por conta de decepções ligadas aos rumos que o PSL, enquanto partido, vem tomando. Todavia, o ex-presidente ressalta que continua compactuando dos ideais da política conservadora, e que irá se filiar a uma outra sigla que tenha como princípios esta tendência ideológica.

Moreira alfineta deputado Luiz Fernando Vampiro

Ex-governador Eduardo Moreira (MDB) parece não ter perdoado o deputado estadual Luiz Fernando Vampiro (MDB) pelas alfinetadas que o parlamentar deu nos governos que antecederam a atual gestão de Carlos Moisés da Silva (PSL). Em recente visita do governador Moisés a Criciúma, Vampiro elogiou sua conduta diante do governo e praticamente lamentou o fato dos governos anteriores não terem agido como ele vem agindo. Vale lembrar que os governos anteriores englobam duas gestões em que Moreira esteve diretamente ligado. Eduardo Moreira foi mais longe, dando a entende que Vampiro só se elegeu por conta do esforço que o MDB fez para que isto fosse possível. No embalo, ressaltou que Vampiro foi bastante beneficiado politicamente em 2018 pela construção da Via Rápida, entre Criciúma e a BR 101, mas que tal obra, na verdade, tem o DNA é do ex-presidente do Deinfra, Paulo Meller.

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias