Rolando Christian Coelho
08/07/2019 09h35

A contradição de Geovânia de Sá

Rolando Christian Coelho, 08/07/2019

Região Sul conta com três deputados federais: Geovânia de Sá (PSDB), que cumpre seu segundo mandato, e Daniel Freitas (PSL) e Ricardo Guidi (PSD), estreantes na Câmara dos Deputados. Daniel e Ricardo já abriram seus votos a favor da reforma da Previdência. Já Geovânia, mesmo com o PSDB tendo hipotecado apoio a reforma, ainda não se decidiu. Por ora, permanece meramente tecendo críticas pontuais ao projeto enviado pelo Palácio do Planalto ao Congresso.

A verdade é que em uma situação normal, Geovânia já teria manifestado apoio a reforma. Pesa contra esta decisão, no entanto, o fato de seu pai, Itaci de Sá, ser o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Ceramistas de Criciúma e Região. Como se sabe, em princípio, quem mais perde com a reforma são justamente aqueles trabalhadores de chão de fábrica, que terão que trabalhar dez, quinze ou vinte anos a mais até se aposentarem.

Por óbvio que Geovânia deve estar se sentindo pressionada, afinal de contas seu pai, além da afinidade familiar, é um de seus principais cabos eleitorais e exerce influência sobre um gigantesco contingente de votantes. No entanto, vale lembrar, que a grande maioria dos líderes tucanos, tanto no Estado quanto no país, compartilham da ideia de que a reforma previdenciária é fundamental para destravar, definitivamente, o poder público nacional.

Em que pese sua retórica, e a defesa justa da mudança das questões injustas do projeto enviado pelo Palácio do Planalto, o fato é que Geovânia deve explicações tanto a seu partido quanto a um contingente maior de eleitores seus que não partilham do pensamento sindical. Das duas uma: dependendo do seu voto, ela perderá muito junto a sua base mais próxima, principalmente em Criciúma e região, ou junto a cúpula estadual e nacional do PSDB, que apostam nela como uma promessa futura. Promessa que pode deixar de existir, se sua posição for antirreformista.

PP de Passo de Torres começa a se acertar

Progressista de Passo de Torres já afunilou conversas com vistas a 2020. Está cada vez mais evidente que candidato do partido ao executivo municipal deverá ser o ex-presidente da Câmara Municipal, Eduardo Cardoso, ou o vereador André Porto. Em princípio, ambos trabalham em pé de igualdade dentro da sigla para conquistar o apoio do diretório. Adriano Delfino Joaquim e Valmir Rodrigues, paralelo a isto, mantém suas intenções majoritárias, mas a sigla tem clamado por renovação na disputa pelo executivo. André Hespaniol, atual assessor do deputado estadual José Milton Scheffer (PP), seria o nome para aglutinar todo o partido através de uma candidatura a prefeito, mas ele ressalta que está totalmente fora do certame.

Ponticelli pode ir este mês para o PSL

Pelo andar da carruagem prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli (PP), deve anunciar sua filiação ao PSL, do governador Carlos Moisés da Silva, ainda em julho, ou no máximo em agosto. As tratativas da migração já estão bastante avançadas. Quem também pode ir para o PSL é o deputado federal Rodrigo Coelho, que é filiado ao PSB, mas deve ser expulso do partido, por estar manifestando apoio incondicional em Brasília ao presidente Jair Bolsonaro. Rodrigo foi vice-prefeito de Joinville no mandato passado, município pelo qual também já havia sido vereador. Em 2018 concorreu à Câmara Federal, conquistando uma vaga no Congresso com 43 mil votos, graças a uma coligação proporcional que contava com outros seis partidos das mais diversas tendência ideológicas.

MDB de Gaivota se reunirá na quinta-feira

MDB de Balneário Gaivota irá se reunir na próxima quinta-feira, para mais um encontro de trabalho com vistas à 2020. Partido tem mantido posição de lançar candidato a prefeito no pleito municipal do ano que vem, mesmo com este projeto também sendo defendido pelo PSDB, de quem o MDB foi candidato a vice em 2016. Por ora, tem se consolidado cada vez mais o nome do empresário Joaci Silva de Oliveira, irmão do ex-prefeito Everaldo Ferreira, como alternativa dos emedebistas para a disputa executiva do ano que vem. Novidade no processo eleitoral, Joaci representa o perfil do político que o eleitor passou a apostar nos últimos pleitos. O fato de não carregar qualquer desgaste no meio político será um diferencial e tanto no próximo pleito.

Edinho quer candidatos do MDB em todos municípios

Vice-presidente do MDB catarinense, ex-deputado federal Edinho Bez, diz que vai dar atenção especial as articulações do partido no Sul do Estado, com vistas as composições majoritárias do ano que vem. Em princípio, de acordo com Edinho, o MDB deverá ter candidatos a prefeito em todos os municípios do Sul catarinense. A explicação para a determinação é simples. Ao longo dos últimos anos o MDB acabou cedendo a cabeça de chapa de forma cada vez mais frequente para aliados, e até mesmo para adversários. Como resultado, o que se viu foi o enfraquecimento gigantesco do partido em nível estadual, a ponto da sigla sequer conseguir chegar ao segundo turno no pleito do ano passado. “Time que não entra em campo não tem torcida. Não tem sentido um partido grande como o MDB atuar como coadjuvante em uma eleição municipal”, comenta.

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias