Rolando Christian Coelho
21/05/2019 09h04

José Eduardo Cardoso tem razão

Rolando Christian Coelho, 21/05/2019

Ex-Ministro da Justiça José Eduardo Cardoso esteve em Florianópolis participando do décimo quatro Congresso de Direito da Ufsc, a Universidade Federal de Santa Catarina. Na ocasião ressaltou que o Brasil está indo ladeira abaixo do ponto de vista institucional. Ressaltou ainda que, ao propor uma espécie de eterno confronto, o presidente Jair Bolsonaro aprofunda a crise institucional no país.

José Eduardo Cardoso está certo. É uma lástima, no entanto, que esta sua convicção só tenha aflorado agora, depois de ter deixado os governos petistas, de quem sempre foi fiel escudeiro, chegando, até mesmo, a ser o advogado da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) à época de seu processo de impeachment.

Vale lembrar que a ladeira a que Cardoso se refere foi acentuada, num grau de difícil comparação, depois que os governos do PT se dispuseram a aparelhar o poder, com tentáculos estendidos em todas as direções, o que incluiu o Supremo Tribunal Federal. Quando os poderes deixam de ser dos representantes do povo, para ser dos representantes de um partido, por óbvio que a institucionalidade fica comprometida. Não há como ser do contrário.

A aludida crítica ao confronto, feita por José Eduardo Cardoso, é algo que chega a ser estranho, afinal de contas o PT passou mais de vinte anos de sua história num eterno confronto com as instituições. Foi isto, aliás, o que fez com que a classe média apostasse suas fichas em Lula da Silva (PT), o levando a Presidência da República. O que ninguém imaginava é que, após a tomada do poder, Lula e seus asseclas iriam se aliar àqueles que eram objeto de suas críticas, inflacionando ainda mais a maledicência já existente no país.

As colocações de Cardoso deveriam ser interpretadas como uma espécie de autocrítica, mas isto já pedir demais para um político desde nível, seja ele do PT ou de qualquer outra sigla, afinal de contas, o que não lhes falta é razão, e massa de manobra para dar sustentação a seus discursos.

Minotto cada vez mais presente na região

Deputado estadual Rodrigo Minotto (PDT) tem feito do Extremo Sul uma espécie de segunda casa, neste inicio de segundo mandato. Nitidamente, sua base eleitoral em nossa região está alicerçada no MDB, com focos bastante consistentes em Araranguá, Turvo, Timbé do Sul, São João do Sul e Praia Grande. Como é de Forquilhinha, Minotto não tem dificuldades em estar constantemente em nossa região, cooptando importantes espaços que pertenciam ao ex-deputado Manoel Mota (MDB), ou aos atuais deputados Luiz Fernando Vampiro (MDB) e Ada de Luca (MDB). Por sua vez, se deputado Volnei Weber não se fizer mais presente, vai passar batido em 2022.

Conselhos Tutelares terão que ter 10 membros

Conselho Nacional dos Direitos das Crianças e Adolescente determinou que Conselhos Tutelares, de municípios com até 100 mil habitantes, tenham cinco conselheiros titulares e cinco suplentes. Problema é que em municípios menores já é uma dificuldade de se achar cinco pessoas que queiram ser conselheiro tutelar. Imagine achar outros cinco suplentes. Em princípio, uma eleição para a escolha do Conselho que não tenha, no mínimo, dez candidatos, não terá validade. Para atrair mais candidatos, a recomendação é que as prefeituras aumentem o salário dos conselheiros, que hoje recebem em média R$ 1.231.00. Recomendação é pertinente. Grande questão é dinheiro para colocá-la em prática.

Governo quer repassar estradas para prefeituras

Governo do Estado está querendo repassar a responsabilidade das rodovias estaduais para os municípios. Não precisa nem dizer que, se fosse coisa boa não viria oferecer. Para engambelar os prefeitos, promessa é de convênios para manutenção, etc e tal. Na verdade trata-se de mais uma bomba no colo dos municípios, que já não têm de onde tirar dinheiro para suas obrigações cotidianas. Meleiro, por exemplo, tem 42 quilômetros de estradas estaduais em seu território. Uma malha viária que vale, no mínimo, R$ 30 milhões sob a responsabilidade de uma prefeitura de pequeno porte. Oferecer dinheiro para a manutenção de estradas municipais ninguém vem.

Municípios terão que pagar iluminação da BR 101

Prefeituras que margeiam a BR 101 em breve começarão a receber a conta da iluminação da rodovia. Aqui em nossa região os municípios de Araranguá, Sombrio, Santa Rosa do Sul, São João do Sul e Passo de Torres já foram enquadrados. Maiores problemas estão nos três últimos municípios, mas principalmente em Santa Rosa e São João, que possuem três elevados iluminados e são municípios de pequeno porte. Simplesmente não há o que fazer. Ou paga-se pela conta ou os prefeitos responderão por improbidade administrativa. Observe que se um cidadão sai da Argentina e vai passar férias em Balneário Camboriu, passando por uma rodovia iluminada, quem paga a conta será a população de municípios como supracitados.

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias