Rolando Christian Coelho
02/05/2018 11h02

Amin com Merísio de vice, e Colombo ao Senado, é a lógica

Rolando Christian Coelho 02/05/2018.

Amin com Merísio de vice, e Colombo ao Senado, é a lógica

A cada dia que passa parece cada vez mais claro que a dobradinha entre PP e PSD, para a disputa eleitoral deste ano no Estado, está selada. Também parece cada vez mais claro que a ordem dos fatores será esta: PP na cabeça de chapa e o PSD concorrendo como vice, indicando ainda a principal vaga ao Senado Federal.

As figuras a serem coladas em cada uma destas vagas também parecem bem evidentes: Esperidião Amin (PP) concorrendo ao governo, com Gelson Merisio (PSD) disputando a vice-governadoria e Raimundo Colombo (PSD) postulando uma vaga ao Senado Federal. Qualquer articulação que fuja a esta lógica bagunça totalmente o coreto. Se os dois partidos, por exemplo, cederem a cabeça de chapa do PSDB, cria-se uma celeuma de difícil resolução entre Amin e Colombo, ambos candidatos naturais a senador. Se Amin aceitasse ser vice, uma outra celeuma seria posta em relação a Gelson Merisio. Pela lógica, então, a majoritária menos traumatizante para progressistas e pessedistas é aquela em que Amin, Merisio e Colombo fossem altamente valorizados. O segundo nome ao Senado pode vir do PP, através de Silvio Dreveck, ou de figura análoga, do ninho progressista ou de outro partido.

É claro que PP e PSD ainda apostam algumas fichas na vinda do PSDB para a coligação, sonhando com uma alternativa milagrosa que contemplasse a todos na majoritária. Os caciques das três siglas, no entanto, sabem que isto é muito difícil de acontecer. Hoje, com uma majoritária pura, o PSDB já teria dificuldades de contemplar seu rosário de pré-candidatos. Imagine em uma aliança com PP e PSD. A não ser, é claro, que os dois partidos abrissem mão de quase tudo diante de 2018, que, por certo, não farão.

Notas

Coisa de louco esse PSD. Mesmo com a sigla já estando de mala e cuia com o PP de Esperidião Amin, ex-deputado estadual Júlio Garcia (PSD) não tem se custado a afagar o MDB. No final de semana, durante evento administrativo em Braço do Norte, que contou com a presença do governador Eduardo Moreira (MDB), Garcia fez questão de ser fotografado ao lado do chefe do executivo estadual. Aproveitaram para trocar informações de pé de ouvido.

Prefeitos, vices-prefeitos e vereadores do PSD de nossa região estão se vendo às avessas com as pré-candidaturas que vem sendo lançadas no mercado eleitoral pelo partido à Assembleia Legislativa. Além do nome já consolidado de Júlio Garcia, os líderes pessedistas têm recebido visitas do delegado criciumense, Ulisses Gabriel, que é de Turvo, e do ex-prefeito de Balneário Arroio do Silva, Evandro Scaine, que almejam concorrer a deputado estadual. Baita saia justa para todas as partes envolvidas.

Governo do Estado continua promovendo cortes de cargos comissionados Santa Catarina a fora, de olho no equilíbrio fiscal do executivo. Nesta segunda-feira foram anunciados quatro cortes na Agência de Desenvolvimento Regional de Araranguá, um deles da Gerente de Planejamento e Apoio a Políticas Públicas, Dione Cesa, esposa do empresário César Cesa, pré-candidato do MDB a Prefeitura de Araranguá. Pessoal de Florianópolis precisa ser mais inteligente nos cortes que vem promovendo.

Começou racha no PT Nacional. De um lado o grupo do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, defendendo candidatura própria à Presidência da República. Do outro lado o grupo do ex-governador da Bahia, Jaques Wagner abrir conversações com o PDT de Ciro Gomes, vislumbrando a possibilidade de apoiá-lo. Jaques Wagner está certo. Se a esquerda tem alguma chance de voltar ao Palácio do Planalto é através de Ciro Gomes. O resto é conversa para boi dormir.

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias