Rolando Christian Coelho
06/04/2018 09h34

Prestes a ser preso, Lula está fora do páreo este ano

Rolando Christian Coelho 06/04/2018

Prestes a ser preso, Lula está fora do páreo este ano

Supremo Tribunal Federal jogou por terra as esperanças do ex-presidente Lula da Silva (PT) de disputar a Presidência da República este ano. Sem habeas corpus, e prestes a ser preso ainda hoje por ordem do juiz Sérgio Moro, a preocupação do ex-presidente, neste momento, é achar uma brecha na lei para, pelo menos, sair do cárcere o mais breve possível.

A bem da verdade, Lula deverá ficar pouco tempo preso. A prisão, aliás, chega a ser irrelevante diante dos fatos. O que está em jogo mesmo, neste momento, é sua candidatura a presidente, que agora ficou totalmente comprometida. É que ao ser cumprido o mandato de prisão por conta de um julgamento em segunda instância, o Tribunal Superior Eleitoral não tem como aceitar a inscrição de Lula como candidato a qualquer cargo nos próximos oito anos, já que ele está enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Mesmo que tivesse conseguido o habeas corpus o registro de sua candidatura já não seria fácil. Agora sua situação ficou drasticamente prejudicada.

Vale lembrar que Lula não tem herdeiro político. Apenas metade de seu eleitorado é cativo ao PT. A outra metade tem como segunda opção de voto desde políticos como Manuela Dávila (PCdoB) e Ciro Gomes (PDT), até Jair Bolsonaro (PSL) e Geraldo Alckmin (PSDB). Na prática, Lula é insubstituível no cenário eleitoral. Se é bom para ele, é péssimo para a esquerda, que perderá milhões de votos para outros candidatos populistas, principalmente os ligados ao centro e a direita.

Ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), deverá ser o remendo a ser utilizado pelo PT para enfrentar a eleição presidencial. Nem de longe ele tem o carisma do líder mor dos petistas. Sua briga será para chegar ao segundo turno, mas, em chegando, tem tudo para perder a disputa.

Notas

Agilidade com que TRF-4 ágil, autorizando, via ofício, que juiz Sérgio Moro decrete a prisão do ex-presidente Lula da Silva (PT), mostra a preocupação com que o judiciário tem com o próprio judiciário. Solto por mais alguns dias, Lula ganharia força para buscar as retóricas necessárias que o livrassem do cárcere. Na prática, nem a justiça confia na justiça.

Corre a boca graúda nos corredores de Florianópolis que Governo do Estado vem dando um prejuízo mensal de R$ 300 milhões. Governo estaria arrecadando R$ 2,1 bilhão por mês, e gastando R$ 2,4 bilhões. Rombo na previdência estadual é o que estaria acabando com o equilíbrio fiscal no Estado. Eduardo Moreira (MDB) já teria dito que não há dinheiro para nada. Esperança é o Fundam 2. Ou ele, ou adeus Tia Chica.

Prefeito de Santa Rosa do Sul, Nelson Cardoso (PSD), diz que “está aguardando as cenas dos próximos capítulos” no que diz respeito à posição de seu partido em relação a 2018. Com a sigla flertando com PP e MDB ao mesmo tempo, Nelson admite que “as coisas estão bastante confusas”. De acordo com ele, no entanto, “os caras lá em cima devem saber o que estão fazendo”.

Para tentar barrar aproximação entre o DEM de João Paulo Kleinubing e a ala do PP comandada por Esperidião Amin, PSD ligado a Gelson Merisio está se propondo a apoiar Ângela Amin (PP) à Prefeitura de Florianópolis em 2020. Política virou definitivamente uma colcha de retalho. Agora, são as alas dos partidos que negociam entre si, e não mais as siglas enquanto instituições.

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias