Rolando Christian Coelho
12/01/2018 11h01

O resultado de confiar no “Estado”

Rolando Christian Coelho, 12/01/2018

“O Brasil é um país muito estranho. Aqui, quem faz política com ética e seriedade é excluído, tanto pelo partido a que está filiado, quanto pela população. As pessoas parecem que só gostam mesmo é de samba, carnaval e futebol”.

Mário Covas (1930/2001) – Ex-governador de São Paulo

O resultado de confiar no “Estado”

Nos anos de 1988 e 1989 ajudei uma equipe de arqueólogos de Florianópolis a promover o cadastramento de vários sítios arqueológicos em Sombrio em Balneário Gaivota. Neste trabalho, foram recolhidos vários fragmentos e objetos que eram utilizados pelos indígenas que viviam em nossa região, antes da colonização. Foi um trabalho, de fato, bastante árduo, mas profícuo, na medida que possibilitou a descoberta de dez novos sítios, que não constavam nos registros do Instituto Brasileiro de Patrimônio Histórico e Cultural.

No trabalho de campo foi recolhido uma centenas de fragmentos cerâmicos, dentes, colares e outros artefatos pertencentes aos indígenas. Ao fim do trabalho fiquei incumbido de guardar o material, destinando ele a um local apropriado, tão logo Sombrio ou Balneário Gaivota possuísse algum. Isto se concretizou em meados de 1994, na gestão do ex-prefeito Aldair Kozuchovski, o Polaco. A partir de então foi cedido um espaço na Biblioteca Pública Municipal para que todo o material ficasse exposto.

Uma peça em especial sempre me chamou a atenção. Tratava-se de um fragmento de cerâmica, de uns doze centímetros de comprimento, por sete de altura, pintado de branco. Nele estavam retratadas ondas e dois golfinhos, perfeitamente desenhados e pintados em azul e cinza. Aquele fragmento destoava de todos os demais que haviam sido encontrados. É como se fosse algo extraterrestre nos dias de hoje. Fiz várias pesquisas e nunca encontrei resposta para aquela peça, que desde então me intrigava.

Quase três décadas depois, no final do ano passado, comecei a ler um livro que trazia relatos de viagens dos jesuitas ao Sul de Santa Catarina, especificamente a Laguna e Imbituba, com passagem por nossa região, nos anos de 1604 e 1605.

Por coincidência, também no final do ano passado, o Jornal Nacional, da Rede Globo, trouxe uma matéria enfatizando que novas descobertas arqueológicas mostravam que jesuítas e indígenas moraram nas mesmas aldeias na região de Laguna, como se pertencessem a uma mesma família, no início do século XVII.

Supus, de imediato, que o tal fragmento com os golfinhos pintados teria sido feito por algum jesuíta, inspirado, quem sabe, nos golfinhos do rio Mampituba. Por conta disto, fui a Biblioteca Pública de Sombrio para fotografar o objeto, que não via havia anos, de modo a que ele pudesse ser analisado por especialistas à luz destas novas descobertas que vêm sendo feitas.

Bom, o fragmento não existe mais, assim como nenhum outro que havia sido deixado lá. Em agosto de 2004, na gestão do então prefeito Professor Jusa (PP), um prédio no centro de Sombrio explodiu de forma criminosa, avariando a biblioteca, que ficava ao lado. Até ai os artefatos dos sítios arqueológicos não haviam sido afetados. No entanto, como o prédio da biblioteca foi bastante avariado, fiquei sabendo esta semana que, naquela ocasião, a prefeitura autorizou uma espécie de limpeza geral dos estragos. Sabe-se lá por qual motivo, todo o material arqueológico que havia sido dado, em confiança, à Prefeitura de Sombrio, foi simplesmente descartado, como entulho. Morreu ali uma prova que poderia ajudar a reescrever a história do Brasil, colocando Sombrio nos livros de história de todo o país. Eis o resultado de confiar no Estado.

Fortalecendo

Ex-vereador progressista de Santa Rosa do Sul, Valério Colombo Mariani, se filiou ao PSDB. A ida dele para o partido é parte da estratégia de fortalecimento da sigla com vistas às campanhas do Dóia Guglielmi e Geovânia de Sá, respectivamente à Assembleia Legislativa e à Câmara Federal. Geovânia, aliás, tem marcado presença constante em nossa região. A deputada conseguiu a primazia de ser escolhida como candidata consensual da Assembleia de Deus, em todo o Estado, à Câmara, no que diz respeito à eleição de outubro. Não à toa passou a ser lembrada para disputar o Senado ou a vice-governança. Persistido o projeto de reeleição, tem grandes chances de dobrar sua votação em relação a 2014, quando conseguiu assegurar uma cadeira em Brasília graças a sobra de votos na legenda de sua coligação.

Garantido

Fonte ligada ao vice-governador Eduardo Pinho Moreira (PMDB) entra em contato para dizer que deputado estadual Manoel Mota (PMDB) terá seu mandato preservado até o início de abril. Moreira assumirá de forma interina o Governo do Estado, em meados do mês que vem, ocasião em que começará a mexer no secretariado estadual. Quatro deputados da coligação pela qual Mota foi eleito são Secretário de Estado, e começarão, aos poucos, a ser dispensados, numa espécie de mini-reforma administrativa promovida por Moreira. No entanto, princípio, o deputado Luiz Fernando Vampiro, que ocupa a Secretaria de Infraestrutura, e que foi indicado para o cargo pelo próprio Moreira, deve continuar na pasta até o dia 6 de abril, data em que precisa se desincompatibilizar para poder concorrer à reeleição em outubro. Isto asseguraria a permanência de Mota na Assembleia Legislativa, na condição de primeiro suplente de sua coligação, até esta data. Depois disto, não há mais o que fazer.

Finalmente

Depois de 32 dias finalmente impasse envolvendo saída da SPDM, e entrada do Instituto Ideas no comando do Hospital Regional de Araranguá se concretizou. Trinta e dois dias que enfatizaram a forma incompetente como a Secretaria de Estado da Saúde trata este setor em Santa Catarina. Esperança é a de que o Ideas honre a confiança que está sendo depositada nele, especialmente pelo quadro de funcionários do Regional, que quer trabalhar, quer servir a população, mas não consegue, por conta da péssima gestão do hospital, especialmente nos últimos meses. Há de se ressaltar que a Secretaria de Estado da Saúde falhou feio ao manter por tanto tempo uma situação totalmente desgastada com a SPDM. Assim como continua falhando feio ao não assumir ela própria os destinos do Regional.

Zênio presidente

Prefeito de Sombrio, Zênio Cardoso (PMDB), deve assumir a presidência da Amesc, a Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense, no mês que vem. Eleição para este intento está prevista para acontecer no próximo dia 26. Há vários anos a eleição para a Mesa Diretora da Associação, que congrega as 15 prefeituras de nossa região, acontece de forma consensual. Em cada um dos quatro anos de um mandato, prefeitos representando os partidos que mais elegeram chefes de executivo na eleição municipal anterior, indicam seus representantes para ser presidente da Amesc. No ano passado o PSD, que elegeu cinco prefeitos, indicou Valdo Rocha (PSD), de Morro Grande. Neste ano o indicado do PMDB, que elegeu quatro prefeitos, é Zênio Cardoso. Ano que vem o PP indicará um de seus três prefeitos para ser presidente e em 2020 o PSDB indicará um de seus dois. Eder Matos, do PSB de Meleiro, concordou com o rodízio e ficou fora do processo de escolha da presidência.

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias