Rolando Christian Coelho
12/12/2017 11h00

2018 está sorrindo para Mota e Zé Milton

Rolando Christian Coelho, 12/12/2017

“O significado da vida nunca é compreendido quanto estamos no topo da montanha. Somente quando a montanha está sobre nós é que sabemos quem somos e o que queremos. Os golpes, a tristeza e as decepções são o que nos fortalece, não a glória”.

Richard Milhous Nixon (1913/1994) – Ex-presidente do EUA

2018 está sorrindo para Mota e Zé Milton

Últimos desdobramentos políticos em nível estadual e regional tendem a ter reflexos diretos aqui no Extremo Sul, no que diz respeito a disputa pela Assembleia Legislativa em 2018. Manoel Mota (PMDB), por exemplo, começou seu atual mandato, em 2015, sob a forte ameaça de uma candidatura nova do PMDB em nossa região, o que, fatalmente, o deixaria sem chances de reeleição, e, talvez, ainda amargando uma suplência tão baixa que possivelmente não tivesse forças para se livrar dela e permanecer no parlamento catarinense.

Faltando menos de um ano para o pleito do ano que vem, Mota reina sozinho dentro do PMDB do Extremo Sul, em que pese toda a oposição interna. Ainda assim, para sua sorte, seus dois adversários mais diretos passam por desgastes que serão muito explorados junto aos eleitores no período eleitoral que se avizinha. Por um lado, a deputada estadual e Secretária de Justiça e Cidadania, Ada de Luca (PMDB), é objeto de uma investigação desencadeada pela Polícia Federal para investigar compra de votos em 2014, ocorrência que fatalmente voltará à tona em 2018. Já o deputado Luiz Fernando Vampiro (PMDB), outro adversário interno de Mota no Extremo Sul, terá que se explicar, e muito, ao eleitor de nossa região, do porquê de termos sido esquecidos pela Secretaria de Infraestrutura, que atualmente está sob seu comando. Aliás, a impressão que se tem é a de que a aludida Secretaria imagina que Santa Catarina termina em Maracajá. Tudo isto beneficia muito Manoel Mota, que sabe, por óbvio, que nem só dos votos de nossa região se faz uma cadeira na Assembleia Legislativa.

Já no PP o deputado estadual José Milton Scheffer reina livre, leve e solto em seu projeto de reeleição. Além de não possuir adversários internos no Extremo Sul, também tem transitado com naturalidade nas regiões de Criciúma e Tubarão, que estão sem representante progressista na Assembleia. Vale lembrar que o deputado Valmir Comin (PP) é o atual Secretário de Estado do Bem Estar Social, o que acaba pulverizando seus esforços políticos por toda Santa Catarina. Isto é bom para Comin, porque amplia sua base eleitoral, mas é melhor ainda para Zé Milton, já que o Secretário não está mais apenas focado no Sul catarinense. Esta condição de único deputado progressista em atuação no grande Sul, aliás, credencia diretamente Zé Milton para enfrentara Câmara Federal caso o deputado Jorge Boeira (PP) dispute a vice-governadoria, ao invés da reeleição. Em quaisquer das situações, Zé Milton tem amplas chances de eleição.

Mal a pior

Fechamento da unidade da JBS Alimentos, em Morro Grande, está afetando a economia de nossa região de forma avassaladora. Além da perda de 700 postos de trabalho, da inevitável queda da receita de ICMS da Prefeitura de Morro Grande, e do governo estadual, o varejo regional também tem sido atingido de forma direta. Pessoas que trabalhavam vendendo esterco de aviário para a agricultura, por exemplo, já não dispõem mais de matéria prima abundante e relativamente barata, até porque, sem frango não há esterco. Revendas de carros que haviam financiado veículos para colaboradores da JBS já começaram a ver parcelas atrasadas, o que as descredibiliza junto ao agente financiador. Comércios de Morro Grande e Meleiro também já começam a sentir reflexos de parcelas atrasadas e baixa no movimento. Enquanto isto os irmãos Batista contam dinheiro na cadeia.

Mais outdoor

Bolsonaristas de nossa região já fixaram outdoors em prol do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC/RJ) nos municípios de Araranguá, Sombrio, Turvo e Jacinto Machado. De acordo com o movimento Direita Sombrio, os próximos municípios a receberem outdoors serão Santa Rosa do Sul, São João do Sul e Passo de Torres. Os outdoors são confeccionados com recursos angariados junto a simpatizantes de Bolsonaro, e fixados, em princípio, em terrenos de pessoas que lhe tem estima. O objetivo é fazer com que todos os 15 municípios de nossa região tenham pelo menos um outdoor fixado. Ministério Público de vários Estados do país têm solicitado a justiça a proibição da fixação deste tipo de material publicitário, referenciando Jair Bolsonaro. Como justificativa, o MP argumenta de que se trata de propaganda eleitoral antecipada, já que Bolsonaro é declaradamente pré-candidato a presidente da República. Em Santa Catarina ainda não há movimentação neste sentido em nível estadual. Por ora os outdoors estão liberados.

Crise total

Situação do Hospital Regional de Araranguá parece mesmo cada vez mais fora de controle. De acordo com o SindSaúde/SC, que é o sindicato que representa os trabalhadores da área, a SPDM, que administra o Regional, prometeu pagar os salários de novembro nesta semana, a partir de ontem. O argumento é o de que o Governo do Estado não teria efetuado o repasse dos recursos que tem conveniado com a instituição. Conforme o SindSaúde, no entanto, o repasse já foi efetuado no último dia 5, o que pode ser comprovado através do Portal da Transparência. Parece cada vez mais claro que a SPDM não tem mais condições de administrar o Hospital Regional de Araranguá. Expectativa, agora, é a de que o Governo do Estado, através da Secretaria de Saúde, promova um amplo debate antes da escolha do novo gestor, sob pena de correr o risco de estar trocando seis por meia dúzia.

Nada a perder

Tive um professor de matemática declaradamente de esquerda. Ele costumava dizer que o povo não tinha que ter medo, porque não tinha nada a perder, a não ser a vida. Pela sua lógica, se a vida conseguisse ser preservada, tudo o mais poderia ser colocado em jogo. Talvez isto explique o fato do ex-presidente Lula da Silva (PT) continuar sendo referenciado por mais de 30% da população brasileira, não obstante a todo o mar de lama que o cerca, e que o atola também. O senador Aécio Neves, por exemplo, foi fortemente vaiado durante convenção do PSDB ocorrida em São Paulo, no último sábado. Até pouco tempo ele era um herói tucano. Arrolado em denúncias, passou a ser bandido, tendo sido até mesmo ‘convidado’ a se retirar do comando nacional de seu partido. Por outro lado, durante o 6º Congresso Nacional do PT, Lula foi aclamado como herói, mesmo estando envolvido em situações mil vezes pior que Aécio. A única coisa estranha é que, mesmo depois de 14 anos de governo petista, o povo ainda continua sem ter nada a perder.

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias