Maiara Possamai
06/11/2017 14h24 - Atualizado em 06/11/2017 14h25

Sobrevivendo ao fim da licença maternidade

O tema de hoje foi sugestão de uma leitora e é na história real de uma mamãe que vamos nos inspirar.

Desde o nascimento, mamãe e bebê não se desgrudam – ficar 10 minutos longe deles já representa uma imensidade de preocupações, parece que eles não vão sobreviver (mas na verdade, somos nós quem sofremos por não estar perto). Durante os quatro primeiros meses de vida, é assim, como um sonho! Podemos ficar grudadinhas nos nossos babies, acompanhando cada descoberta, cada evolução, dando muito colinho e cheirinho neles... Mas e quando a licença-maternidade acaba?

Essa dúvida, ou melhor esse ‘medo’, surgiu da sugestão de uma leitora do blog. A mamãe Layse Januário volta a trabalhar em janeiro, mas já está pensando em como lidar com esse momento e pediu que abordássemos o tema por aqui... Como ainda estou na mesma fase que ela (só pensando em como vai ser, o que vou fazer, como sobreviver a essa ‘separação’), fomos ouvir uma mamãe que já passou por essa fase. Mãe do Bernardo, de 7 meses, a Maiara de Sá vai nos contar como encarou o fim da licença maternidade. Confiram o relato real:

“Voltei a trabalhar quando ele estava para completar 4 meses. A parte mais difícil foi decidir com quem ou onde eu deixaria ele, porque pensava assim: por melhor que seja uma escolinha, por mais responsável que seja uma babá, eu sou a mãe, será que vão cuidar como eu? Nós nunca vamos nos sentir seguras. Mas, como eu tinha que voltar ao trabalho, optei por deixá-lo aos cuidados de uma pessoa de muita confiança minha. Não tive coragem de por em uma escolinha. Me senti mas segura assim.

O momento de deixá-lo foi muito difícil. Eu o deixava e voltava para o trabalho com o coração apertado. Ia para o banheiro e chorava. 

Os dois primeiros meses foram muito difíceis para mim. Para ele não, ele se adaptou muito bem, quem sofria era eu. Mas depois fui me sentindo mais segura e vendo que ele estava bem, tudo ficou mais tranquilo. Comecei a trabalhar mais tranquila, mas a cabeça é nele o tempo todo (até hoje). Não é fácil, mas a gente acaba se acostumando.

A nossa ligação só melhorou, desde que voltei a trabalhar, ficamos ainda mais grudes. Quando chego do trabalho ele só quer ficar comigo, e é tão gostoso. É isso que me faz amar ser mãe!

A dica que eu dou é pelo menos um mês antes de voltar ao trabalho já começar a pensar com quem ou onde vai deixar. Se optar por escolinha, vá até lá, veja como funciona, deixe algumas horas lá para ver como o bebê reage. Faça o mesmo se optar por uma babá, porque o mais importante de tudo é nos sentirmos seguras, é saber que vai estar tudo bem com nossas joias preciosas. É muito difícil ficar longe deles, mas faz parte da vida de mãe”.

Além das dicas da mamãe Maiara – que foram super valiosas, também separei algumas que encontrei em sites especializados. Deem uma olhadinha:

01 – Volte aos poucos:

Ao invés de voltar logo de uma vez e já ficar um turno inteiro direto longe do bebê, vá ao trabalho (nem que seja apenas uma visita) por algumas horas, antes de o período da licença terminar. Dessa forma, você e o bebê conseguem se adaptar devagarinho a essa ‘separação’.

02 – Prepare-se para a despedida:

Você já sabe que será sofrido, então, vá trabalhando sua mente para o momento de dar ‘tchau’. É muito importante ir conversando com o bebê, explicando o que vai acontecer e ressaltar que apesar de estarem longe fisicamente por algumas horas, você vai estar pensando nele e logo, logo, estarão juntos de novo.

03 – Planeje a alimentação do bebê:

Pense em como adaptar a alimentação do seu filho à nova rotina. Se ele ainda mama exclusivamente no peito, uma alternativa é tirar e deixar o leite materno em casa – para que o bebê não troque o seu leite por fórmula. Além disso, a legislação brasileira permite que a mulher faça dois intervalos de 30 minutos durante a jornada de trabalho para a amamentação do bebê ou combine com o empregador de reduzir o expediente em uma hora, no início ou no final do horário de trabalho.

Se a alimentação de seu filho já tiver outras opções inclusas – como papinhas, sopas e frutas – fica mais fácil e você já pode deixar tudo planejado no início de cada semana.

04 – Transmita segurança:

Por mais difícil que seja este momento, o seu filho precisa se sentir seguro – onde quer que ele esteja! Então, como a mamãe Maiara já nos orientou, procure a melhor opção – aquela que vai deixar você segura – e transmita esta segurança ao seu bebê.

05 – Aproveite esta fase:

Pense no lado positivo disso tudo – voltar ao trabalho vais ser bom para você, como mulher! No período da licença-maternidade acabamos deixando esse lado um pouco esquecido, então aproveite para cuidar um pouquinho mais da aparência, valorizar seu visual e conversar com outras pessoas adultas. Isso também é muito importante!

E aí mamães, aprovaram as dicas? Espero que tenham gostado!

PS: O Diário de Mamãe está em uma nova fase no Instagram – com várias dicas, histórias e experiências todos os dias. Tenho recebido várias sugestões e interações de outras mamães e espero a sua sugestão!! Logo, logo o blog também vai ganhar um espaço novo, ainda mais especial. Aguardem!

Siga a nossa rotina no insta: @blogdiariodemamae

Super beijo da mamãe e da Lara!

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias