Rosane Machado

Comportamento
Rosane Machado
Rosane Machado

Rosane Machado
19/06/2018 10h00 - Atualizado em 19/06/2018 10h05

A PALAVRA MAL DITA

A PALAVRA MAL DITA

Sim, escrevo 'mal dita' em separado, que pode bem se tornar 'maldita' junto. Afinal, desde que o mundo é mundo a fofoca existe. Desde os primórdios que alguém inventa de falar de outro alguém. Inclusive na Bíblia encontramos um ótimo provérbio que coloca muito bem o assunto: “a boca do tolo é a sua própria destruição, e os seus lábios um laço para a sua alma” (Provérbios 18.7).

Muitas vezes nos tomamos de amores por alguém que mal conhecemos, simpatia instantânea e já travamos amizade. Outras, uma antipatia se faz presente e nem uma boa conversa consegue desfazer a nefasta primeira impressão. Criticar o que o outro faz ou deixa de fazer, passa-me a ideia de que o tal crítico não faz nada em sua vida, apenas fica à janela dos acontecimentos, ou da rede social, observando a vida alheia e a sua vai-se desfazendo em inutilidade pura.

Admiro quem consiga fuxicar redes sociais, stalkear (perseguir) pessoas no facebook, e ainda trabalhe, durma, vá ao banheiro... Mal publicamos algo e já está um 'like' da mesma criatura, ou uma postagem criticando ou contradizendo o que você postou. E qual seria a intenção do vivente? Um justiceiro cibernético? Um arauto da verdade, acima do bem e do mal?

O pior é quando incluem o nome da gente em uma fofocada. Fazem um 'recorta e cola' e temos de nos explicar. E eu que não sou obrigada a nada?????? Ter que explicar o motivo pelo qual gosto de A, mas não desgosto de B porque justamente não conheço B. Se uma pessoa tem apenas atitudes positivas com relação a você, como considerar uma fofoca (ou informação) de que este mesmo alguém seja do mal porque não foi correto com outro ser? Cada um tem seus motivos (e motivações).

Assim como muitos, tenho uma vida atribulada e cheia de compromissos: faculdade, escritório, pesquisas, família (incluo meus peludos neste importante quesito), ócio (que me é caro, uma vez que se torna elemento raríssimo em meus dias). Falta-me tempo (e paciência) pra verificar a veracidade de tal ou tal fato. Não posto 'fakenews', se me pedem pra compartilhar alguma foto de um suposto cachorrinho perdido, por exemplo, eu o faço. Se ele já foi encontrado há semanas, nem me preocupo: porque alguém certamente vai querer escrever ali, logo em seguida, que eu estou equivocada.

Qual a necessidade de espinafrarmos alguém publicamente? Qual a necessidade de ofendermos uma pessoa EM SEU PRÓPRIO FACEBOOK? Quiçá o ofensor precise de alguns minutos de fama e comprovar que você não é tão correto quanto parece. Nossa, que grande feito, não?

A etiqueta reza que pra certas opiniões há um 'in box'. Pega menos mal e você (opinioso) não terá sua nobre imagem abalada. Contudo o que mais me agrada é poder estar agora diante do PC de pijama divertindo-me com a divina (e trágica) comédia humana. Dante realmente era o "cara".

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias