Quincas Avelino
08/04/2019 13h54 - Atualizado em 08/04/2019 14h17

Desmanche falido - VENDO PEÇAS E CARROS USADOS

Coluna Quincas, 08/04/2019

A pergunta inicial é bem direta, porém gostaria de fazer um convite ao sensível, à empatia e à alteridade:

- Por que os automóveis são tidos como membros de nossas famílias?

Infinitas respostas são possíveis. O uso médio da utilização dos automóveis (em deslocamento) durante o dia é de 15%. Ou seja em 85% de nossos dias o automóvel fica parado, encostado do lado do meio fio ocupando uma via e até mesmo tendo que pagar por esse estacionamento. (Além dos gastos do combustível, pedágios e impostos).

Quem nunca reparou a ida da Matriz até a Cidade Alta pela Avenida Sete? Onde um aglomerado de terrenos enxotandos de veículos novos e usados?

E por que as pessoas não se juntam para cobrar a Viação Cidade? Principalmente quando os horários são modificados sem consultar a população e, o que é ainda pior: sem avisar da troca de horários para usuários e usuárias.

Em uma dessas: Dona Maria ficou na parada do ônibus feito estátua durante uma hora de sol. Aposentada tinha que ir ao laboratório na parte da manhã pegar um exame para levá-lo na consulta de tarde. Mas o ônibus trocou de horário. Dona Maria perdeu o ônibus, a baldeação, o exame e a consulta. Mas isso, minha gente, não é problema nosso né? É problema de Dona Maria que não se organizou pra ter um automóvel! Será que nosso problema é a vergonha que temos em andar de ônibus, ou será cansaço de tanto (de tanto) que já fizemos esforços para nos manter ativos pela cidade, mesmo com a mobilidade restringida pelas Avenidas que nos batizam?

Sabia que a cidade de Araranguá possui uma Lei que dispõe sobre a Mobilidade Urbana - Lei Complementar 147/2012

Inclusive prevê o VLT (bonde elétrico) para a cidade, com possibilidades de uma malha cicloviária significativa, interligando as zonas da cidade.
Termino, por hora, as provocações com uma questão fundamental, que tentei encontrar a resposta, mas me perdi entre os buracos do caminho.
Por que, na festa da padroeira é sorteado um automóvel?
Será que é medo de partilhar as vias públicas?

Sugiro então duas leituras, com informações sobre as possibilidades das cidades:

- MORTE E VIDA DE GRANDES CIDADES (Janes Jacobs)
- CIDADE PARA PESSOAS (Jan Gehl)

Dois livros para compreendermos as dinâmicas das cidades. O primeiro na visão de uma importante arquiteta e urbanista norte-americana e, o segundo de um arquiteto dinamarquês. Qualquer coisa me envie um e-mail que empresto ;)

Por cidades mais VIVAS!
Saúde Pública.

[email protected]

Os textos dos Blogs são opinativos e de responsabilidade dos autores. Não significa que a opinião expressada por eles seja a mesma do Grupo W3.

Recomendadas para você

Outras notícias