A manhã desta quarta-feira, 15, foi marcada por mobilizações em todo o país. O motivo? O congelamento de verbas voltadas à Educação, anunciadas pelo governo Federal na última semana. Assim como em outras localidades do Brasil, em Araranguá, uma manifestação pacífica também foi realizada. No Centro da cidade, alunos e professores da Universidade Federal de Santa Catarina se reuniram para manifestar sua contrariedade à medida.

Os acadêmicos fizeram uma passeata do campus da UFSC, no bairro Jardim das Avenidas, até o Calçadão, onde se encontraram com alunos do Instituto Federal de Santa Catarina. “No centro fizemos concentração na praça Hercílio Luz, onde realizamos uma ação informativa para a população, sobre o que a UFSC faz e qual a importância da universidade na cidade”, destacam os estudantes.

Segundo eles, entre as ações desenvolvidas pela Universidade no município estão os projetos de extensão do curso de fisioterapia, que atendem a pessoas da região e o curso pré-vestibular, que é destinado aos alunos da escola pública de Araranguá. “Ambas as iniciativas são desenvolvidas pela UFSC e representam grande importância para a cidade. Com a redução no repasse de recursos, conforme anunciado pelo governo, estas e outras ações podem estar comprometidas”, informam.

Os alunos destacam a importância da instituição não apenas para Araranguá, mas para toda a região do Extremo Sul Catarinense. Atualmente, a UFSC é considerada a sexta maior universidade do Brasil e a 14ª da América Latina. “A recepção da população foi bem diversificada em relação a essa ação, ou até mesmo em relação a presença da universidade na cidade: algumas pessoas foram bem receptivas, enquanto outras manifestaram o seu descontentamento em relação à universidade pública, e até mesmo questionaram a importância da UFSC na cidade, o que é uma pena, pois desde a sua chegada o crescimento do PIB de Araranguá triplicou”, argumentam.

Ainda segundo os estudantes, as verbas contingenciadas são utilizadas para despesas correntes da universidade, como água, luz, material de pesquisa, bolsas de assistência estudantil e pesquisa, contratos de terceirizados e afins. “Além disso, grande parte da nossa estrutura é alugada, o que também gera um custo alto. Atualmente a UFSC Campus Araranguá conta com o envolvimento de mais de 1500 pessoas, entre alunos, professores e técnicos”, afirmam.

No final da ação informativa foram realizadas apresentações da BATERAAACA (Bateria Universitária da UFSC Campus Araranguá) e da Matilha Cheer (Grupo de Cheerleading da UFSC Campus Araranguá). Todo o movimento teve o acompanhamento da PM.

Previdência
Além da mobilização da comunidade escolar da UFSC e IFSC, outro protesto foi realizado no Calçadão de Araranguá, com a participação de integrantes de sindicatos. Além de apoiar a causa dos estudantes, os participantes também manifestaram sua contrariedade à atual proposta da Reforma da Previdência. “Enquanto Centro Acadêmico, nós agradecemos o apoio destas pessoas à Educação, porém registramos que os alunos e professores da UFSC não estão envolvidos em nenhum tipo de manifestação quanto à previdência. Nossa luta é contra ao congelamento de verbas”, finalizam.

Fonte: Fotos: Henrique Vefago