Já pensou em um parque urbano no centro da cidade, voltado ao lazer, com estrutura para recreação, prática de esportes, pedalinho, praça do mirante, palco natural e várias outras atrações? O arquiteto e urbanista Diego Daniel pensou exatamente em tudo isso para o Centro de Araranguá.

Recentemente ele apresentou o projeto do Parque Urbano na Câmara de Vereadores. “O que apresentei poderá impactar a cidade de tal forma que haverá uma Araranguá antes e depois desta obra. E é de tal importância, que eu, nascido nesta cidade, faço votos, não para minha geração, mas para meus filhos e netos poderem viver em uma cidade com essa joia urbana a ser construída”, destaca.

Ele destaca o potencial que a cidade possui, porém pouco aproveitado. “Além de poucas áreas verdes de lazer, como inexistência de um parque urbano, temos poucas praças e se utiliza locais não apropriados e inseguros para o lazer e atividades físicas, como canteiros centrais em nossas avenidas, por exemplo. Temos apenas um ponto turístico importante, o Morro dos Conventos, porém está fora da cidade, não podendo ser utilizado rotineiramente”, afirma.

Diego enxergou, num local centralizado, um potencial significativo para a implantação do Parque. “Há uma grande área central disponível e sem muitas construções existentes, que poderia ser a grande joia de nossa cidade. Trata-se da região entre a XV de Novembro e o Açude Belinzone. É uma área considerada APP (Área de Preservação Permanente), pois está em uma cota abaixo de cinco metros e é alagada com cheias do rio e chuvas intensas. É também uma grande área de uso público”, explica.

Benefícios
O arquiteto destaca os principais benefícios com a criação de um parque urbano dentro da área central de fácil acessibilidade. São eles:

- Recreação
- Prática de esportes
- Atividades físicas
- Educação Ambiental (escolas)
- Contemplação
- Convívio da população/ Fomentando encontros
- Turismo / Ponto Turístico
- Construção de um marco urbano/ referência dentro da cidade
- Melhoria da qualidade do ar
- Melhoria da saúde e o bem-estar público
- Absorção e escoamento das águas pluviais e fluviais
- Estímulo da flora e a fauna local

Atrativos

Praça do Mirante
Na área mais alta do terreno, reutilizando a chaminé histórica onde era feita a moagem de milho pela família Belinzoni.

Reforma e ampliação do Ginásio Bolha
Reforma e ampliação com quadras de esporte, salão de jogos, academias, banheiros e albergue;

Passarelas
Utilizando os lagos reformulados utilizaria um passeio por cima destes através de passarelas de madeira;

Pedalinho
Dentro dos lagos, como forma de atração e contemplação;

Centro Educacional da Água
Museu educativo dentro da área do Açude, ajudando a conscientização do uso da água e a preservação do local;

Palco natural
Aproveitando a inclinação do terreno é possível criar áreas de eventos, sendo o terreno natural como arquibancada.

Dados do Parque

Área: 265 mil m²
Investimento previsto: R$ 30 milhões