Na tarde desta terça-feira, 7, a reportagem do Grupo W3 recebeu a informação de que foram encontradas na extensão da empresa Gelos Cubinho - localizada dentro do Presidio Regional de Araranguá, algumas irregularidades na produção. A empresa estava instalada desde o mês de março de 2016 na Unidade Prisional e contava com 12 detentos trabalhando no projeto de ressocialização.

Segundo as informações, as irregularidades teriam sido encontradas em uma inspeção, realiza no mês de março. Entre elas, está a ausência de um alvará de funcionamento da empresa, bem como a falta de condições para a fabricação dos produtos que tinham contato direto com insetos e roedores, além disso, teria sido constatada a falsificação de informações nos rótulos dos produtos e a falsificação das datas de fabricação.

A 2ª Promotoria do Ministério Público da Comarca de Araranguá investiga o caso por meio de uma Ação Civil Pública que tem como objetivo proteger a coletividade e responsabilizar os infratores por danos causados ao consumidor. A reportagem entrou em contato com a promotora Maria Claudia Tremel, mas a magistrada afirmou que o processo já foi ajuizado junto ao poder judiciário e agora corre em segredo de justiça.

A empresa Gelos Cubinhos encaminhou uma nota sobre a informação. Confira:

A Gelos Cubinho comunica aos seus clientes e parceiros que a matéria publicada no portal Vale do Itajai Notícias não retrata a verdade e sobre este fato esclarece:

1.A unidade de produção localizada no Presídio Regional de Araranguá foi desativada em fevereiro de 2018. No momento em que a Vigilância Sanitária realizou a fiscalização referida na matéria, aquela fábrica estava em obras de manutenção e contava com todas as licenças cabíveis.

2.Toda a produção de gelos está sendo realizada na unidade de Içara, local frequentemente inspecionado pela Vigilância Sanitária e outros órgãos responsáveis, tendo suas licenças em dia. A unidade conta ainda com Laboratório interno responsável por verificar periodicamente a qualidade da água utilizada e do produto final.

Reiteramos nosso compromisso com a qualidade de nossos produtos e com a saúde dos consumidores, primando por uma relação ética com nossos clientes e parceiros. Repudiamos ainda a ação de concorrentes que estão em uma campanha vil para nos prejudicar, inclusive gerando notícias como as publicadas nos veículos de comunicação de Santa Catarina. Medidas jurídicas cabíveis já estão em andamento.