Há dois anos em funcionamento, o abrigo ligado a Casa do Oleiro de Araranguá - que é uma instituição social-  está fechado temporariamente, pois o Convênio do Governo Federal não está sendo repassado pela prefeitura de Araranguá. Além disto, na gestão passada, havia um repasse de recurso próprio, que neste ano não foi renovado.

A Casa do Oleiro, situada na área central do município, abriga pessoas em situação de rua, trecheiros e famílias em vulnerabilidade social.

A diretora da casa, Márcia Freitas, relata que a situação estava muito complicada e por isso a equipe decidiu fechar as portas. "Desde ontem não estamos acolhendo mais as pessoas, não há mais condições, estamos em uma fase difícil, antes tínhamos uma sede própria e hoje dividimos o espaço com outra instituição”, afirma.

O repasse mensal seria de R$ 6.500, informa Márcia. “Esta verba não está vindo, segundo a prefeitura. Fazem cinco meses estamos passando por dificuldades. Nossos funcionários estão com os salários atrasados", relata.

Na gestão anterior, havia um repasse de R$ 3.500 de recursos próprios da prefeitura, mas houve o cancelamento do apoio. “A atual administração não renovou o nosso convênio, esta verba era utilizada para a compra dos alimentos”, destaca.

Com o corte deste incentivo, o atendimento foi reduzido. “No ano passado oferecíamos para os abrigados almoço, café da tarde, hoje somente a refeição noturna”.

Outras instituições sem receber verba do MDS

Segundo a secretária de Assistência Social e Habitação, Alice Aguiar a Casa do Oleiro não é a única que não está recebendo a verba do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS). “Estamos no vermelho. A prefeitura devia ter recebido já no começo do ano mais de 800 mil reais, mas até o momento o governo Federal não fez nenhum tipo de repasse, por isso os atrasos”, declara.