Ao assinar decretos que de criação de Unidades de Conservação (UCs) de Balneário Morro dos Conventos e entorno, na última quarta-feira, dia 28, o prefeito Sandro Roberto Maciel, atendeu a uma demanda história da comunidade araranguaense. A iniciativa visa disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais ao criar a Unidade de Conservação da Natureza Municipal, denominada Monumento Natural Morro dos Conventos, a Unidade de Conservação da Natureza Municipal Área de Proteção Ambiental (APA) da Costa de Araranguá, e a Unidade de Conservação da Natureza Municipal Reserva Extrativista (Resex) do Rio Araranguá.

O Projeto Orla, processo iniciado pela administração municipal, via Secretaria Municipal de Planejamento, vinculado à Secretaria de Patrimônio da União (SPU), juntamente com a Fundação Ambiental do Município de Araranguá (FAMA), teve papel decisivo na criação das UCs. “A ideia de criar as Unidades de Conservação nasceu em discussões anteriores ao Projeto Orla, porém, começou a ganhar corpo justamente nas discussões deste projeto. A Secretaria de Planejamento teve um papel importante na concretização deste trabalho juntamente com a Fama”, destaca o secretário municipal de Planejamento, Paulo Ricardo da Silva, o Paulinho.

O secretário lembra ainda da participação da sociedade civil organizada, representada por diversas entidades de classe, como fator primordial para a concretização do trabalho e ainda agradeceu ao prefeito Sandro Maciel em decretar a criação da UCs. “Foi um trabalho bem feito em conjunto com a comunidade e a legitimidade do projeto está nesta parceria. Fizemos uma intensa e democrática discussão para levar ao prefeito o que queríamos para o entorno da orla marítima. E o Sandro na condição de prefeito ter tido a sensibilidade de perceber a importância deste processo assinando estes decretos, deixará este importante legado para o nosso município”, acrescenta.

Com as UCs, Balneário Morro dos Conventos e áreas do entorno terão uma visibilidade maior, abrindo possibilidades de investimentos externos. Com os decretos assinados, o próximo passo será a criação de um comitê gestor para o gerenciamento das unidades. “Lembro que quando iniciamos o Projeto Orla, ele era um plano não que tinha peso legal. Mas como no mesmo período havia as discussões do Palno Diretor, conseguimos abrir a possibilidade em transformar em lei tudo aqui que aprovávamos no Orla. Com a aprovação do Plano Diretor as UCs passaram a se tornar realidade findando o processo na assinatura dos decretos. Mas tudo isso será um trabalho contínuo, ou seja, ele não para”, diz Paulinho.