Na manhã desta quinta-feira, dia 10, a nossa reportagem publicou no Portal de Notícias W3, uma matéria de colaboração da assessoria de imprensa da Procuradoria Geral de República, essa que destaca que o Tribunal Regional Federal da 4ª região, proibiu o acesso de veículos a faixa de areia do Morro dos Conventos.

A decisão definitiva que acolheu recurso de apelação proposto pelo Ministério Público Federal em ação civil pública, determinando a proibição definitiva de trânsito de veículos automotores nas praias, dunas e restingas movimentou e gerou polêmica na Cidade das Avenidas. Nossa equipe procurou a procuradoria Geral do Município, mas os responsáveis não prestaram esclarecimentos.

Já o diretor de Trânsito de Araranguá, Paulo Roberto Oliveira, comentou sobre as determinações que deverão ser cumpridas pela prefeitura com a efetivação das novas normativas. "É um definição relevante, não temos muito acrescentar, vamos cumprir o que se determina. Continuaremos sinalizando e proibindo o acesso á esses locais, com certeza a prefeitura vai cumpri com a parte dela".

A Polícia Militar, por meio do Comandante da 1ª Companhia, Tenente Diego, afirmou que não prestará esclarecimentos, sem antes receber alguma notificação judicial. "Não recebemos nenhuma notificação judicial sobre essa determinação. Assim que recebermos essa informação de forma oficial iremos relatar as decisões que a corporação irá tomar".

Para Jairo César, histórico defensor ambiental, a decisão definitiva é correta. "Essa discussão existe há muito tempo, acredito que agora foi tomada uma decisão certa, pois não foi possível encontrar uma solução para limitar ou organizar o acesso", salientou.

Mas há quem tenha opinião contrária, a empresária Amélia Texeira, mora no Morro dos Conventos e tem sua empresa instalada no Balneário. "Eu sou contrária a essa medida, acredito que o fechamento deveria ser especifico e que não fosse fechada toda a extensão da praia. As vezes existem pessoas que querem apenas aproveitar o dia na praia e não querem sujar e nem ouvir música alta".