Depois de aprovar o Pedido de Informações 5/2016, solicitando esclarecimentos sobre os motivos que resultaram na redução de 50% da disponibilização de leite especial para crianças que com intolerância à lactose, a Câmara de Vereadores formalizou convite a secretária municipal de Saúde, Rosane Kochhmann para que participe da sessão do dia 18, segunda-feira. O objetivo é receber maiores detalhes e esclarecer a situação.

Na Câmara a proposta foi apresentada e votada e aprovada por unanimidade em caráter de urgência. O autor do Pedido de Informações, vereador Lourival João, Cabo Loro, ressalta que muitas famílias não possuem condições financeiras de adquirir o leite especial, que é vital para os bebês com intolerância à lactose. “Fui procurado por algumas famílias que recebem leite especial para nutrição de bebês com intolerância à lactose e outras alergias. Estão preocupadas com a situação”, pondera o vereador.

No mercado, cada lata de leite especial custa, em média entre R$ 180 e R$ 200. Em geral, uma criança consume o conteúdo de uma embalagem em três dias.

Intolerância a lactose

Lactentes são crianças de zero a dois anos de idade que tem intolerância a lactose ou alergia ao leite. Ela é uma deficiência do organismo humano causada por ausência ou deformidade da enzima intestinal “lactase”, responsável pela decomposição do carboidrato do leite. Com a decomposição, são perdidos carbono, hidrogênio e oxigênio, principais fontes de energia para os sistemas vivos.

Em seu estado normal, a lactase digere o açúcar presente no leite e em produtos lácteos. Sua malformação ou falta pode ser hereditária ou provocada por lesões de células intestinais. Por sua vez, o consumo de leite comum por crianças portadoras dessa deficiência causa intolerância e pode resultar em diversas alterações abdominais. Na maioria das vezes, elas provocam diarreia, vômitos e perda de peso, podendo ocasionar até uma desidratação aguda.

Fonte: AssCom Câmara de Vereadores de Araranguá